”Opinião de” Gabriel Pinto

Olá,

Neste artigo como nos anteriores falarei, um pouco da minha experiência com a Luminotecnia e comentar um pouco o artigo da semana anterior, no qual entrevistei o meu amigo, Edgar Sousa.

Depois de ter feito um comentário mais específico para a sonoplastia, farei agora para a luminotecnia. Acredito que tanto a sonoplastia como a luminotecnia são duas áreas que estão muito ligadas na área teatral, não só por poderem operar juntas e haver locais que o luminotécnico e o sonoplasta pode ser o mesmo, mas sim por ser uma das partes mais técnicas do teatro.

Como referia o Edgar na semana passada a luminotecnia pode acabar por trazer um impacto numa peça teatral com o sentido das cores das luzes que pode transmitir ao público. Acredito que por exemplo, o figurinista da peça pode já escolher uma roupa a pensar na luz que irá ter na própria cena. Mesmo quando um encenador quer uma cena mais ‘’quente ‘’ pode optar logo por falar com o técnico de luz e referir que gostava de ter uma cor mais apropriada naquele acontecimento.

Todos os trabalhos que são feitos acabam por ter a ‘’sua magia no mundo da luminotecnia’’, como dizia o Edgar. Na luminotecnia acaba mesmo por muitas vezes, ser desafiante, visto que, acontece em muitos casos o luminotécnico conseguir só operar com tudo pronto no próprio dia do ensaio geral.

Nesta área também posso dizer que já realizei alguns trabalhos e posso referir também que o momento para mim, mais aborrecido, foi quando no próprio diz do espetáculo, faltar uma hora para iniciar e acaba por fundir dois fusíveis na luz geral. Acabando por ser depois uma corrida contra o tempo, para resolver o assunto e estar tudo ‘’normal’’ no início do espetáculo.

Para terminar agradeço a todos que leram os artigos até aqui e até uma próxima. Obrigado.